27/04/2020 12:30
Saneamento Ambiental e Coronavírus
Foto: Fernando Frazão/AB

Não é raro as pessoas se infectarem com Coronavírus ao longo da vida. Esses vírus são uma causa comum de infecções respiratórias. A pneumonia atípica grave, conhecida como SARS, e a síndrome respiratória do Médio Oriente, MERS, são exemplos. A COVID-19 é o membro mais novo desse grupo e pode ser a maior epidemia da história desde a Gripe Espanhola, que infectou 1 em cada 4 pessoas no planeta.

A transmissão desses vírus pode se dar por meio de tosse ou espirro, através de contato pessoal, como toque ou aperto de mão, ou contato com objetos ou superfícies contaminadas, seguido então de contato com a boca, nariz ou olhos.

A cólera talvez tenha sido, de fato, a primeira epidemia mundial e ainda não foi erradicada. Segundo a OMS, de 100 a 120 mil pessoas morrem todos os anos devido à doença, que provoca diarreia intensa, matando por desidratação. A proliferação é através de água e alimentos infectados. Devido à falta de saneamento a peste atingiu mais de 50 milhões de pessoas entre os anos 1343 e 1353. As condições de higiene pós-Primeira Guerra na Europa ajudaram o Tifo a matar mais de 3 milhões de pessoas entre 1918 e 1922.

Essas doenças têm a mesma sistemática de transmissão: pulgas que morderam ratos infectados e depois chegaram aos humanos. Estudo sobre esgotamento sanitário do instituto Trata Brasil aponta que os municípios gastam seus limitados recursos com saúde corretiva e não preventiva. O estudo cita que a população acaba se habituando à situação precária de saneamento ambiental, cobrando do poder público apenas outros serviços como asfaltamento de ruas, construção de escolas e praças. Ações que tendem a melhorar a qualidade de vida da população envolvem água potável, coleta e destinação adequada dos resíduos produzidos, além da preservação da fauna e da flora do seu entorno.

Parece algo grande e complicado demais para cuidarmos sozinhos. Só que saneamento é definido por ação ou efeito de sanear; proporcionar limpeza e higiene; tornar uma área sadia. Nessa definição está a principal ação a ser tomada por nós nesse momento. Lavar com água e sabão por um tempo superior a 20 segundos, garantindo que todos os cantos e lados das mãos sejam limpos, em geral, é um hábito apenas de profissionais da área da saúde ou alimentação, mas deveria ser de todos. Busque informações sobre os passos para realizar uma boa higiene das mãos.

Divulgue para sua família e amigos. Ensine seus filhos. Pratique. Fiscalizem uns ao outros. Vai fazer a diferença para o resto de suas vidas. E por enquanto, se puder, fique em casa.

 

Fabrício Pereira é Sanitarista Ambiental e especialista em áreas verdes. 

 

 

 

 

Os textos publicados nesta coluna não refletem o posicionamento do Grupo Cidade de Comunicação.

 

 

Comentários


AV. DESEMBARGADOR MOREIRA 2565
DIONÍSIO TORRES CEP: 60.170-002
FORTALEZA-CEARÁ | FONE: (85) 3198.8888
CNEWS@GRUPOCIDADECE.COM.BR
SIGA O CNEWS
COMO ANUNCIAR
DESENVOLVIMENTO