NOTICIAS | POLÍCIA

Estudante acusado de vender anabolizantes deve ficar preso

A defesa argumentou falta de fundamentação do decreto prisional. Justiça afirmou que liberdade pode ocasionar novos delitos
Postado em 21/08/2019 | 18:09
Foto: Divulgação/SSPDS

A Justiça cearense negou pedido de habeas corpus para o estudante Glauber Josino de Lima, acusado de venda de anabolizantes em Limoeiro do Norte, 200 km de Fortaleza. A prisão aconteceu após a Polícia descobrir, via conversas em WhatsApp, que um grupo no qual o acusado fazia parte, estava envolvido com esquema de comercialização de substâncias anabolizantes nas academias do município. Glauber e outras três pessoas foram presas. 

A defesa argumentou falta de fundamentação do decreto prisional e disse que o acusado tem o direito de responder ao processo em liberdade porque possui residência fixa, profissão definida e é estudante universitário. Além disso, é réu primário e tem bons antecedentes. Em parecer, o órgão ministerial manifestou-se pelo improvimento do pedido.

Ao analisar o caso, a 1ª Câmara Criminal negou o pedido. “Ao contrário do que alega o impetrante, constata-se que a prisão preventiva do paciente está suficientemente fundamentada na necessidade de garantia da ordem pública, pois, conforme consignado no decreto preventivo, há fortes indícios nos autos de que ele exerce a traficância com habitualidade”, destacou no voto a desembargadora Lígia Andrade de Alencar Magalhães, relatora do processo. 

Ainda segundo a desembargadora, “a imposição da medida cautelar extrema está devidamente justificada na elevada possibilidade de reiteração delitiva pelo paciente, situação essa que, de modo indiscutível, demonstra sua periculosidade e o risco que sua liberdade traz à ordem pública”.

 
VEJA TAMBÉM
 
 
 
 

AV. DESEMBARGADOR MOREIRA 2565
DIONÍSIO TORRES CEP: 60.170-002
FORTALEZA-CEARÁ | FONE: (85) 3198.8888
CNEWS@TVCIDADEFORTALEZA.COM.BR
SIGA O CNEWS
COMO ANUNCIAR
DESENVOLVIMENTO